Visual do Onix RS 2021 é composto por adereços esportivos mantém motor 1.0 turbo e câmbio automático, mas não tem câmera de ré, sensor crepuscular, acesso e partida sem chave. Leia o teste

Por Paulo Eduardo

Todos os fabricantes usam estratégia idêntica para manter um determinado modelo em evidência na mídia um ano após o lançamento. A versão RS do Onix é lançada pouco mais de um ano depois da apresentação em setembro de 2019.

A nova geração do Onix utiliza arquitetura global GEM de baixo custo para países emergentes. Obteve nota máxima no teste de impacto do Latin NCAP mesmo tendo acusado proteção fraca para o peito na prova do poste.

A roupagem esportiva inclui spoilers na frente e atrás, aerofólio, rodas pintadas em preto brilhante assim como a grade em forma de colmeia, enquanto o teto, retrovisores e aerofólio recebem tinta metálica preta. Saia nas laterais para o carro parecer mais baixo.

Essa é a receita para diferenciar o Chevrolet Onix RS 2021. O visual atrai público que valoriza esportividade independentemente do desempenho. Forração na cor preta no interior inclui colunas e teto, além dos apliques discretos em vermelho para realçar a esportividade.

O Chevrolet Onix RS 2021 tem desempenho igual ao das versões LT, LTZ e Premier com câmbio automático. A roupagem esportiva difere somente o visual. Porém, custa mais que a LTZ e não tem: câmera de ré, sistema de partida e entrada sem chave, sensor crepuscular.

A tela do sistema multimídia passa a ser de oito polegadas. Não tem navegação nativa, sendo compatível com Android e Apple. Faróis com máscara negra têm regulagem elétrica de altura do facho, que é curto no baixo.

O motor turbo não responde imediatamente por causa da injeção indireta. Findo o pequeno retardo inicial, o carro dispara. O câmbio automático de seis marchas não estava totalmente afinado com o motor na unidade testada. Trancos frequentes nas trocas.

A função L é usada para troca manual por meio de tecla no alto da alavanca. Ao ser acionada, ocorre redução para a marcha anterior mais forte. Vai até a quarta marcha e é muito útil na descida para poupar os freios. É usada como freio-motor. Não deve ser usada por muito tempo.

O Chevrolet Onix RS 2021 tem comportamento dinâmico previsível. Contorna bem as curvas e não desgarra facilmente do asfalto. Bom de dirigir. Suspensão bem calibrada transfere um pouco nas ondulações e remendos de asfalto. Pneus de perfil baixo (55) contribuem para isso.

Freios eficientes assim como lavadores e limpadores. Baixo consumo. Computador registrou média de 15 km/l na estrada e 9 km/l na cidade, ambos com gasolina.  

Uma direção com assistência elétrica leve em manobra e carente de um pouco mais de peso em alta, mas agradável. Manobra facilitada pelo diâmetro de giro pequeno (10,4 metros). Coluna tem regulagem em altura e distância.

Volante tem boa pega, contém comandos de áudio, fone e controle de velocidade. Coluna tem regulagem em altura e distância. Revestimento liso provoca deslize acidental. Acesso ao banco traseiro requer abaixar por causa da caída do teto. Bom espaço para dois adultos.

Outras falhas em ergonomia são a falta de apoio total das pernas por causa dos assentos curtos, que provocam cansaço em percurso longo, comandos dos vidros traseiros recuados e tampa do porta-malas com pega de fechamento somente no lado direito.

Segurança é ponto positivo

A versão RS também está equipada com seis airbags, controles de tração e de estabilidade, auxiliar de partida em rampa, ar-condicionado, controle de velocidade, vidros com acionamento elétrico um toque e antiesmagamento nas quatro portas, entre outros.

Internet a bordo e sistema On Star equipam somente a versão Premier.

Quanto custa?

A desvantagem do Chevrolet Onix RS 2021 é o preço de R$ 1 mil a mais em relação à LTZ, que é mais bem equipada. A RS tem preço sugerido de R$ 75.590. Pintura na cor branca custa R$ 750. A preta não é cobrada, enquanto a vermelha custa R$ 1.600.

Garantia é de três anos sem limite de quilometragem.

 Ficha técnica Chevrolet Onix RS 2021

Motor
De três cilindros em linha, 999 cm³ de cilindrada, 12 válvulas, turbo, flex, de 115,6 cv (etanol/gasolina) de potência máxima a 5.500 rpm e torques máximos de 16,3 kgfm (g) / 16,8 kgfm (e) a 2.000 rpm

Transmissão
Tração dianteira e câmbio automático de seis marchas

Direção
Tipo pinhão e cremalheira com assistência elétrica; diâmetro de giro, 10,4 metros

Freios
Disco ventilado na dianteira e tambor na traseira; controles de estabilidade e tração

Suspensão
Dianteira, independente, do tipo McPherson, com barra estabilizadora; traseira, eixo de torção; altura do solo, 12,8 metros

Rodas/pneus
6,5 x 16” de liga leve /195/55R16

Peso (kg)
1.106

Carga útil (passageiros+ bagagem)
375 quilos

Dimensões (metro)
Comprimento, 4,163; largura, 1,73; altura, 1,47; distância entre-eixos, 2,551

Capacidades (litros)
Porta-malas, 275; tanque, 44

Desempenho
Velocidade máxima, 180 km (g/e); aceleração até 100 km/h, 10,2 (g)/10,1 s (e)

Consumo (km/l)
Urbano, 8,3 (e) e 12 (g); estrada, 10,1 (e) e 14,4 (g)

O post Avaliação: Chevrolet Onix 1.0 turbo RS 2021 – Adereço não faz um esportivo apareceu primeiro em Autos Segredos.