Strada Freedom tem pacote único de opcionais e se destaca pelo rodar confortável, motor, e capacidade para rodar em estrada de terra mal conservada

Por Paulo Eduardo

A picape compacta Strada se assemelha à média Toro não apenas nas linhas da carroceria. A irmã menor também tem rodar confortável sobre superfície irregular. Na Strada Freedom, essa característica é marcante por causa dos pneus de asfalto.

Enquanto a topo de linha Volcano usa pneus mais duros de uso misto, a Strada Freedom está equipada com pneus mais macios e um pouco mais altos (37 milímetros a mais). Pneus de uso misto são criticados por não ter eficiência total nem na terra nem no asfalto.

Entretanto, a Strada Freedom tem as mesmas capacidades para transitar em estrada de terra mal conservada. Porém, pneus de asfalto estão mais vulneráveis a danos do que os de uso misto.

Suspensão evoluiu na dirigibilidade com modificações e adoção de novas molas, amortecedores, além da geometria diferente. Há pouca transferência para dentro ao rodar sobre remendos e ondulações de asfalto e terra.

A Strada Freedom tem altura do solo e ângulos de ataque, saída e rampa suficientes para rodar em caminhos ruins mesmo com pneus de asfalto. O controle de tração E-Locker transfere força em terreno escorregadio para a roda que não patina.

Ela entra em ação automaticamente nessa situação. Entretanto, ao ser acionada ativa o ABS off-road. Trata-se de uma função que diminui a distância de frenagem em terreno arenoso, lamacento, com brita e até neve, que cai no sul do país.

Apesar de a tração ser no eixo dianteiro, esse recurso melhora a desenvoltura em caminhos acidentados ao formar pequenos montes na frente da roda para facilitar a transposição de obstáculo.

As linhas bonitas da carroceria são unanimidade. Acesso ao interior facilitado pelos grandes ângulos de abertura das portas dianteiras (70 graus) e traseiras (80 graus). Encosto traseiro deveria ser menos vertical para maior conforto.

Espaço no banco traseiro é para dois adultos. Assento central é mais apropriado para criança ou adulto em carona curta. Um quebra-galho.

Acabamento convincente no interior, com exceção das pontas de parafuso aparentes na dobradiça central das portas. Portas dianteiras são do Mobi e vidros não descem totalmente. Falta muito pouco para se encaixarem totalmente dentro das portas.

Volante bem dimensionado e revestido corretamente com material rugoso, que evita deslize acidental, contém comandos de áudio, fone e computador. Coluna é regulável somente em altura.  

Bancos dianteiros têm apoio lateral e assentos curtos. Anatomia ruim provoca desconforto em viagem. Ergonomia comprometida ao ter que abaixar para entrar no banco traseiro. Na visualização de semáforo, motorista precisa abaixar mesmo com banco na posição mais baixa.

Caçamba com protetor de assoalho e proteção da cabine para carga alta e também do vidro. Tampa leve da caçamba tanto para abrir quanto para fechar. Sistema simples e eficiente. Tampa é travada juntamente com as portas.

O câmbio antigo com curso longo da alavanca destoa do motor moderno. Na unidade avaliada, os engates estavam precisos. No engate da marcha à ré, deve-se manter o pé na embreagem por três segundos para não arranhar, pois não é sincronizada. Pedal afastado força musculatura da perna.

Motor 1.3 da Strada Freedom é totalmente de alumínio trabalha sem vibrações e relações curtas do câmbio contribuem na arrancada em aclive e elevam rapidamente a rotação até a faixa ideal de torque. Usa corrente em vez de correia dentada, o que dispensa manutenção periódica.

A primeira marcha é somente para a picape entrar em movimento com até metade da carga máxima. A segunda também é bem curta. Adequação correta para veículo de carga e motor de baixa cilindrada. Falta elasticidade em alta por que o cabeçote tem apenas duas válvulas por cilindro, mas privilegia o torque.

Somente a quinta marcha é de economia. O motor gira a 3.900 rpm em quinta marcha a 120 km/h e a 3.100 rpm na mesma marcha a 100 km/h. Consumo registrado pelo computador foi de 7 km/l na cidade e 11 km/ na estrada, ambos com etanol e ar-condicionado desligado.

Retrovisores grandes ajudam na visibilidade, que melhorou através do vidro traseiro. Câmera de ré extremamente útil e sensor de estacionamento são opcionais do pacote Tech, que também inclui sistema multimídia com tela tátil de sete polegadas, comandos de áudio no volante e alto-falantes.

Sistema sem fio compatível com Apple e Android pode parear dois telefones. São duas portas USB: sendo uma para o banco traseiro, além de uma tomada de 12 volts.

Direção com assistência elétrica é levíssima em manobra e bem calibrada em alta. Diâmetro de giro de 10,7 metros ajuda na manobra em espaço reduzido.

Faróis com lâmpada halógeno têm iluminação satisfatória e facho baixo de bom alcance. Limpador do para-brisa não varre área no lado esquerdo superior. Lavadores são eficientes. Freios bons param em espaço de segurança sem abaixar muito a frente.

CONFIRA AVALIAÇÃO DA STRADA 1.3 VOLCANO CABINE DUPLA

Há airbags laterais dianteiros, controles de tração e de estabilidade, além do assistente de partida em rampa. E muitos outros itens de conforto, segurança e conveniência equipam a Strada Freedom.

Fiat anuncia maior rigidez da estrutura, mas não revelou resultado do teste de impacto feito na fábrica. A picape também não passou pelo teste do Latin NCAP.

Preço sugerido da versão Freedom é de R$ 80.290. O Pack Tech custa R$ 2.990, elevando o preço para R$ 83.280. A Volcano tem preço sugerido de R$ 83.990. A pintura metálica acrescenta R$ 2.300; a perolizada, R$ 2.500. Cores sólidas, branca e vermelha, custam R$ 900. Apenas a cor preta não tem custo.

A Freedom vale mais a pena para produtor rural e pessoa jurídica com desconto de 6% a 8%, conforme apurado na rede Fiat. O desconto da versão Volcano na mesma condição está suspenso, segundo informação da rede.

Além disso, a versão Volcano está equipada de série com faróis em LED, que têm maior poder de iluminação. O que não se aplica à Freedom. Portanto, é refletir sobre o que cada um considera importante.

Ficha técnica Strada Freedom 1.3

Motor
De quatro cilindros em linha, oito válvulas, flex, 1.332 cm³ de cilindrada, 109 cv (etanol) de potência máxima a 6.250 rpm e de 101 cv (gasolina) a 6.000 rpm e torques máximos de 14,2 kgfm (e) e de 13,7 kgfm (g) a 3.500 rpm

Transmissão
Tração dianteira e câmbio manual de cinco marchas

Direção
Tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica; diâmetro de giro, 10,7 metros

Freios
Disco ventilado na dianteira; tambor na traseira

Suspensão
Dianteira, independente, tipo McPherson, com barra estabilizadora; traseira, eixo rígido, com molas parabólicas longitudinais; altura do solo, 21,2 centímetros

Rodas/pneus
6 x 15”, de liga leve/195/65 R15

Peso
1.167 kg

Carga útil (passageiros + bagagem)
650 kg

Tanque
55 litros; caçamba, 844 litros

Dimensões (metro)
Comprimento, 4,474; largura, 1,732; altura, 1,606; distância entre-eixos, 2,732

Capacidades
Ângulo de ataque/saída/rampa, 23,8 graus/26,6 graus/21,9 graus

Desempenho
Velocidade máxima, 169 km/h (e)/165 km/h (g); aceleração até 100 km/h, 11,2 (e) segundos/12,4 (g) segundos

Consumo (km/l)
Cidade, 8,4 (e)/12,1 (g); estrada, 9,4 (e)/ 13,3 (g) 

O post Avaliação: Fiat Strada Freedom: pneu faz a diferença no conforto apareceu primeiro em Autos Segredos.