Durante a pandemia, nós noticiamos a chance de contaminação pela Covid-19 fez com que as pessoas evitassem usar o transporte público. Assim, é evidente imaginar que a venda de carro e motos crescesse. Contudo, uma pesquisa global aponta uma vertiginosa queda nas vendas de motos em 2020. E a tendência não é de melhora.

Uma pesquisa feita pela Finaria, site italiano de economia e finanças, aponta que a receita global de vendas de motocicletas caiu 18% em comparação a 2019. Se no ano retrasado o lucro foi de US$ 133,4 bilhões (R$ 708,2 bi), em 2020 o número caiu para US$ 108,8 bi (R$ 577,6 bi). Ou seja, o segmento perdeu cerca de R$ 130 bi em 12 meses.

A previsão, no entanto, aponta por quedas consecutivas. A Statista aponta que a receita anual de 2021 será por volta de US$ 3,2 menor do que o último ano. Como consequência da pandemia, o setor só demonstrará uma leve recuperação em 2023. Todavia, o valor será por volta de 20% menor do que foi arrecadado em 2020.

Maiores mercados de motocicleta no mundo estão na Ásia

Se o nosso maior polo de fabricação de motocicletas fica em Manaus, na zona franca, os maiores mercados mundiais do veículo de duas rodas ficam bem longe daqui. A Índia lidera com vantagem o ranking, com expectativa de gerar US$ 18,3 bilhões (R$ 97,3 bi) de lucro em 2021. Em segundo lugar está a China, com faturamento esperado em US$ 13,5 bi (R$ 71,6 bi).

Do déficit de R$ 130 bilhões, as três maiores potências do mundo em conjunto perderam cerca de R$ 61 bilhões.

A motos Hero Splendor é a mais vendida na Índia
A Hero Splendor se consagra como a moto mais vendida da Índia Reprodução/Hero

Mercado de motos no Brasil

De acordo com a Fenabrave, o mercado de motos em 2020 registrou uma queda de 15,04%, um pouco menor do que o percentual mundial. Foram emplacados cerca de 915.502 veículos ante a 1.077.537 em 2019.

Contudo, a participação do segmento das motocicletas cresceu em 2,2% no acumulado geral, que conta com automóveis, comerciais leves, ônibus, caminhões e outros tipos de veículos. Dessa forma, a maior parte dos emplacamentos sai da região sudeste e nordeste. Juntas, elas somam dois terços de todas as unidades emplacadas no Brasil.

Motos, Honda CG160 Fan
Divulgação/Honda

Assim como no exterior, a Honda é de longe a marca que mais vende motos por aqui. Ela toma 77% do mercado de duas rodas no Brasil e 40% no mercado mundial. Em segundo lugar está a Yamaha, com 15,5% de participação no mercado nacional e 12,9% no segmento estrangeiro.

Dos três modelos mais emplacados no Brasil, estão a Honda CG 160, em primeiro lugar, o scooter Honda Biz na vice-liderança, e a trail Honda NXR160 em terceiro lugar.



O post Venda global de motos caiu 18% em 2020 e indústria perdeu R$ 130 bilhões apareceu primeiro em Jornal do Carro – Estadão.