Oficina de restauração JLR

A Jaguar Land Rover acaba de lançar no Brasil uma inédita oficina de restauração para veículos clássicos das marcas inglesas. A nova unidade fica na fábrica de Itatiaia, no sul do Rio de Janeiro. Lá foi feito um espaço com 900 m² para receber até 12 modelos simultaneamente. São 6 baias individuais, área de desmonte, oficina de motores e pintura.

A restauração de clássicos por especialistas das marcas é um serviço comum na Europa. Sobretudo com modelos de luxo de Ferrari, Lamborghini, Porsche e da própria Jaguar Land Rover. Entretanto, a oficina no Brasil é a primeira da empresa na América Latina.

Oficina de Restauração JLR
Jaguar Land Rover/Divulgação

“O local foi estrategicamente pensado, de modo que podemos contar com toda a estrutura e a experiência da nossa unidade no Rio de Janeiro”, conta Oscar Neto, diretor da fábrica da JLR em Itatiaia. Para Neto, um diferencial do serviço são as peças originais e genuínas das marcas.

Defender 1996 já está restaurado

O primeiro veículo reconstruído pela oficina de restauração em Itatiaia foi um Land Rover Defender 110 de 1996. O SUV teve toda a parte externa, o interior, bem como a mecânica totalmente recuperados. Antes de iniciar o processo, a equipe entrevistou o cliente. Dessa maneira, pode entender as particularidades do carro, a sua história e as preferências na restauração.

“Entendemos que os clássicos da Jaguar Land Rover têm histórias únicas e relacionadas a experiências vividas por seus donos”, pontua Wiliam Oliveira, gerente da clínica. Para o executivo, o trabalho cuidadoso também visa, dessa forma, preservar essas histórias.

Oficina de restauração JLR
Jaguar Land Rover/Divulgação

Para atrair clientes, a Jaguar Land Rover oferece uma visita guiada na fábrica. Esta incluí, claro, as instalações da clínica de restauração. Os interessados podem acessar o site oficial, bem como entrar em contato com as montadoras pelo telefone (21) 97251-2963 ou ainda pelo e-mail [email protected].

A oficina de restauração da JLR começa a operar oficialmente neste mês de maio. Por ora, a montadora não diz quantos clássicos estima recuperar neste primeiro ano da operação. Entretanto, por ser única na América Latina, é possível que a clínica receba até carros vindos do exterior. Isso, claro, quando a pandemia da Covid-19 perder força.

Oficina de restauração JLR
Jaguar Land Rover/Divulgação

Fábrica de Itatiaia resiste

No fim de 2020, a Mercedes-Benz anunciou o fechamento da fábrica de Iracemápolis, no interior de São Paulo. Dessa forma, a marca alemã deixou de produzir carros no Brasil pela segunda vez. A saída repentina da Mercedes acabou lançando dúvidas quanto à manutenção de outras fábricas de carros de luxo. Dentre elas, a da JLR em Itatiaia.

Com a clínica de restauração de clássicos, a Jaguar Land Rover rechaça a possibilidade de fechar a unidade. E também inaugura um novo setor na unidade que pode ser rentável. A montadora não anunciou valores, até porque cada carro é um caso. Nas imagens divulgadas, os SUVs antigos da Land Rover parecem bastante surrados após anos de uso.

Jaguar Land Rover/Divulgação

Contudo, o serviço da JLR promete deixar os clássicos com aparência de novos. Não só a carroceria, que conta com uma cabine de pintura de alta performance, mas também o interior. O resultado pode ser visto na imagem do painel do Defender 110 restaurado. O SUV 4×4 parece até exalar cheiro de carro zero km, com um painel impecável.

As marcas não falam sobre quanto tempo, em média, leva uma restauração. No entanto, a julgar pela aparência do Defender azul da foto acima, é provável que o processo exija paciência. Além de recuperar o chassi, o interior é refeito, bem como a parte elétrica e a mecânica. Além disso, é preciso esperar pelas peças, que vêm do exterior.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

O post Jaguar Land Rover cria oficina de restauração na fábrica de Itatiaia apareceu primeiro em Jornal do Carro – Estadão.