É a bebida típica do Natal, da passagem de ano novo e, em geral, de todas as celebrações. Marco Antonio Carbonari, dono da vinícola Villa Santa Maria, explica que mesmo com seus 20 anos no mercado ainda acha o champanhe surpreendente ao paladar. A tradicional bebida tem características próprias de produção, conheça algumas delas neste artigo.

O champanhe é conhecido por ter surgido através de um erro de fermentação, onde, devido ao frio, a levedura “dormia”, mas assim que a temperatura voltava a subir, a fermentação continuava e transformava o vinho em espumante. Hoje, a bebida das estrelas, como também é conhecida, é feita a partir do vinho das uvas tintas pinot noir e pinot meunier, e da uva branca chardonnay e possui alguns métodos de produção.

  • O método Charmat: Marco Antonio Carbonari diz que o método clássico foi criado em 1895, com a descoberta da bebida, mas, nos dias de hoje, a fermentação passa por tanques de inox, chamados autoclave. Então, as leveduras são retiradas e o champanhe vai para a garrafa para não continuar evoluindo.
  • O método Champenoise: Aqui o espumante passa por dois tipos de fermentação, a primeira em um tanque, que dessa vez pode ser de aço inoxidável, concreto e até madeira. Então, o vinho base da fermentação comum fica em uma garrafa evoluindo por cerca de dois meses. Ao juntar tudo, a bebida recebe o gás carbônico.
  • A dupla fermentação: Após a fermentação do mosto, a bebida só fica consistente se for adicionado um líquido chamado liqueur de tirage, que possui uma mistura de vinho com açúcar, junto com leveduras selecionadas. A adição é necessária para ocorrer a segunda fermentação na garrafa, onde a bebida é colocada com uma tampa de metal para iniciar o processo das bolhas de gás carbônico. Marco Antonio Carbonari conta que em cada garrafa de champanhe possui mais de 7 milhões de bolhas por garrafa e 1 milhão por taça, por isso dá a sensação de estrelas na boca.

Todas essas etapas foram desenvolvidas no século XVII, com algumas adaptações para os dias atuais. Desconfia-se, historicamente, que quem fez o champanhe pela primeira vez foi Dom Pérignon, na cidade de Champanhe, França. A ideia que ele teve foi botar a bebida em um garrafa de vidro e prender a rolha com arame para preservar o gás carbônico. A partir dessa genial visão é que foram desenvolvidas as técnicas que acabamos de ver.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui